domingo, 23 de agosto de 2015

POESIA: Álvares de Azevedo



Um poeta sensível, 

contista, dramaturgo, e ensaísta, de versejar comovente e romântico. 



ÁLVARES DE AZEVEDO






Manuel Antônio Álvares de Azevedo nasceu em São Paulo em 12 de setembro de 1831 e faleceu no Rio de Janeiro, em 25 de abril de 1852. 
Filho de Inácio Manuel Álvares de Azevedo e Maria Luísa Mota Azevedo.
Foi um escritor da segunda geração romântica.




Passou a infância no Rio de Janeiro, onde iniciou seus estudos. Voltou a São Paulo, em 1847, para estudar na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco onde, desde logo, ganhou fama por brilhantes e precoces produções literárias. Destacou-se pela facilidade de aprender línguas e pelo espírito jovial e sentimental.


Um dos mais belos poemas de Álvares:


AMOR

"Amemos! Quero de amor
Viver no teu coração!
Sofrer e amar essa dor
Que desmaia de paixão!
Na tu’alma, em teus encantos
E na tua palidez
E nos teus ardentes prantos
Suspirar de languidez!

Quero em teus lábios beber
Os teus amores do céu,
Quero em teu seio morrer
No enlevo do seio teu!
Quero viver d’esperança,
Quero tremer e sentir!
Na tua cheirosa trança
Quero sonhar e dormir!

Vem, anjo, minha donzela,
Minha’alma, meu coração!
Que noite, que noite bela!
Como é doce a viração!
E entre os suspiros do vento
Da noite ao mole frescor,
Quero viver um momento,
Morrer contigo de amor!" 



É impossível não se emocionar ao se deparar com tão belos versos, e o amor ser colocado de forma tão forte e profunda.


Não concluiu o curso de direito, pois foi acometido de uma tuberculose pulmonar nas férias de 1851-52, a qual foi agravada por um tumor na fossa ilíaca, ocasionado por uma queda de cavalo, falecendo aos 20 anos.
A sua obra compreende: Poesias diversasPoema do Frade, o drama Macário, o romance O livro de Frá GondicárioNoite na TavernaCartas, vários Ensaios e Lira dos vinte anos.






Minha Desgraça

"Minha desgraça não é ser poeta,
Nem na terra de amor não ter um eco,
E meu anjo de Deus, o meu planeta
Tratar-me como trata-se um boneco...
Não é andar de cotovelos rotos,
Ter duro como pedra o travesseiro...
Eu sei... O mundo é um lodaçal perdido
Cujo sol (quem mo dera!) é o dinheiro...
Minha desgraça, ó cândida donzela,
O que faz que o meu peito blasfema,
É ter para escrever todo um poema
E não ter um vintém para uma vela."








Lembrança de Morrer

"Quando em meu peito rebentar-se a fibra
Que o espírito enlaça à dor vivente,
Não derramem por mim nem uma lágrima
Em pálpebra demente.

E nem desfolhem na matéria impura
A flor do vale que adormece ao vento:
Não quero que uma nota de alegria
Se cale por meu triste passamento.

Eu deixo a vida como deixa o tédio
Do deserto, o poento caminheiro
— Como as horas de um longo pesadelo
Que se desfaz ao dobre de um sineiro;

Como o desterro de minh'alma errante,
Onde fogo insensato a consumia:
Só levo uma saudade — é desses tempos
Que amorosa ilusão embelecia.

Só levo uma saudade — é dessas sombras
Que eu sentia velar nas noites minhas...
De ti, ó minha mãe, pobre coitada
Que por minha tristeza te definhas!

De meu pai... de meus únicos amigos,
Poucos — bem poucos — e que não zombavam
Quando, em noite de febre endoudecido,
Minhas pálidas crenças duvidavam.

Se uma lágrima as pálpebras me inunda,
Se um suspiro nos seios treme ainda
É pela virgem que sonhei... que nunca
Aos lábios me encostou a face linda!

Só tu à mocidade sonhadora
Do pálido poeta deste flores...
Se viveu, foi por ti! e de esperança
De na vida gozar de teus amores.

Beijarei a verdade santa e nua,
Verei cristalizar-se o sonho amigo....
Ó minha virgem dos errantes sonhos,
Filha do céu, eu vou amar contigo!

Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida,
À sombra de uma cruz, e escrevam nela
— Foi poeta — sonhou — e amou na vida.—

Sombras do vale, noites da montanha
Que minh'alma cantou e amava tanto,
Protegei o meu corpo abandonado,
E no silêncio derramai-lhe canto!

Mas quando preludia ave d'aurora
E quando à meia-noite o céu repousa,
Arvoredos do bosque, abri os ramos...
Deixai a lua prantear-me a lousa!"


Álvares muitas vezes escrevia sobre a própria morte, o que era uma obsessão, e teve contato com ela muito cedo ao perder seu irmão mais novo Inácio Manuel que o deixou profundamente abalado.
E após algum tempo perdeu também seu amigo de faculdade João Batista da Silva Pereira.


Adeus, meus sonhos!

"Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro!
Não levo da existência uma saudade!
E tanta vida que meu peito enchia
Morreu na minha triste mocidade!
Misérrimo! Votei meus pobres dias
À sina doida de um amor sem fruto,
E minh’alma na treva agora dorme
Como um olhar que a morte envolve em luto.
Que me resta, meu Deus?
Morra comigo
A estrela de meus cândidos amores,
Já não vejo no meu peito morto
Um punhado sequer de murchas flores!"



Tinha como influências literárias, Alfred de Musset, Lord Byron, Johann Wolfgang von Goethe e François-René de Chateaubriand.


Se eu morresse amanhã

"Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã,
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!
Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!
Que sol! que céu azul! que doce n’alva
Acorda ti natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!
Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã…
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!"


Se eu morresse amanhã foi escrita dias antes de sua morte e lida em seu enterro.
Um aspecto característico de sua obra e que tem estimulado mais discussão diz respeito à sua poética, que ele mesmo definiu como uma "binomia", que consiste em aproximar extremos, numa atitude tipicamente romântica.


"Amo-te como o vinho e como o sono,
Tu és meu copo e amoroso leito...
Mas teu néctar de amor jamais se esgota,
Travesseiro não há como teu peito.

Posso agora viver: para coroas
Não preciso no prado colher flores;
Engrinaldo melhor a minha fronte
Nas rosas mais gentis de teus amores."
(trecho de A Lagartixa)



Um de seus costumes era fumar charuto. Uma de suas influências foi o grande poeta Lord Byron. Álvares de Azevedo também escreveu muitas cartas e ensaios e traduziu para o português o poema Parisina, de Lorde Byron, e o quinto ato de Otelo, de William Shakespeare.


(...)E se tu queres, donzela,
Sentir minh'alma vibrar,
Solta essa trança tão bela,
Quero nela suspirar!
E dá repousar-me teu seio...
Ouvirás no devaneio
A minha lira cantar!"



Álvares fundou a revista da Sociedade Ensaio Filosófico Paulistano (1849); fez parte da Sociedade Epicureia; e iniciou o poema épico O Conde Lopo, do qual só restaram fragmentos.




POR MIM?

"Teus negros olhos uma vez fitando
Senti que luz mais branda os acendia,
Pálida de langor, eu vi, te olhando,
Mulher do meu amor, meu serafim,
Esse amor que em teus olhos refletia...
Talvez! - era por mim?

Pendeste, suspirando, a face pura,
Morreu nos lábios teus um ai perdido...
Tão ébrio de paixão e de ventura!
Mulher de meu amor, meu serafim,
Por quem era o suspiro amortecido?
Suspiravas por mim?...

Mas... eu sei!... ai de mim? Eu vi na dança
Um olhar que em teus olhos se fitava...
Ouvi outro suspiro... d'esperança!
Mulher do meu amor, meu serafim,
Teu olhar, teu suspiro que matava...

Oh! não eram por mim."



Devido a sua morte prematura, todos os trabalhos de Álvares de Azevedo foram publicados postumamente.


"Invejo as flores que murchando morrem,
E as aves que desmaiam-se cantando
E expiram sem sofrer." 



Soneto
"Pálida, à luz da lâmpada sombria, 
Sobre o leito de flores reclinada, 
Como a lua por noite embalsamada, 
Entre as nuvens do amor ela dormia! 

Era a virgem do mar! Na escuma fria 
Pela maré das águas embalada! 
Era um anjo entre nuvens d´alvorada 
Que em sonhos se banhava e se esquecia! 

Era mais bela! O seio palpitando... 
Negros olhos as pálpebras abrindo... 
Formas nuas no leito resvalando... 

Não te rias de mim, meu anjo lindo! 
Por ti - as noites eu velei chorando, 
Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!"

Álvares sem dúvida é um dos poetas mais brilhantes e românticos que se pode ter o prazer de ler.
Sua história triste e vida curta também entristecem, sem dúvida teria vivido muito, feito grandes obras, e conhecido seu grande amor se aquela doença não tivesse tirado-lhe o sopro de vida tão prematuramente.
Ao morrer, suas ultimas palavras a seu pai em seu leito de morte foram:
"- Que fatalidade, meu pai." 


Meu Desejo


"Meu desejo? era ser a luva branca
Que essa tua gentil mãozinha aperta:
A camélia que murcha no teu seio,
O anjo que por te ver do céu deserta....

Meu desejo? era ser o sapatinho
Que teu mimoso pé no baile encerra....
A esperança que sonhas no futuro,
As saudades que tens aqui na terra....

Meu desejo? era ser o cortinado
Que não conta os mistérios do teu leito;
Era de teu colar de negra seda
Ser a cruz com que dormes sobre o peito.

Meu desejo? era ser o teu espelho
Que mais bela te vê quando deslaças
Do baile as roupas de escomilha e flores
E mira-te amoroso as nuas graças!

Meu desejo? era ser desse teu leito
De cambraia o lençol, o travesseiro
Com que velas o seio, onde repousas,
Solto o cabelo, o rosto feiticeiro....

Meu desejo? era ser a voz da terra
Que da estrela do céu ouvisse amor!
Ser o amante que sonhas, que desejas
Nas cismas encantadas de languor!"



Toda a vida, história e obra de Álvares é algo que toca sempre que se menciona e nos deixa sem palavras, resta ressaltar que no Brasil é um dos mais importantes e maiores poetas ultra românticos.






A causa da morte do autor é um tema historicamente controverso, com diferentes hipóteses.



"Bebamos! Nem um canto de saudade! 
Morrem na embriaguez da vida as dores! 
Que importam sonhos, ilusões desfeitas? 
Fenecem como as flores!"  (Noite Na Taverna)


Figura no cânone da poesia brasileira. Foi muito lido até as duas primeiras décadas do século 20, com constantes reedições de sua poesia e antologias.
As últimas encenações de seu drama Macário foram em 1994 e 2001.
É patrono da cadeira 2 da Academia Brasileira de Letras.






Álvares estará para sempre vivo em suas lindas poesias de amor.








Um comentário:

  1. "Foi poeta, sonhou e amou na vida."
    Maravilhoso em todos os sentidos
    Álvares me fez gostar de poesia,não só pela arte,mas também por me identificar com o espírito.Dá pra sentir seu sentimento em cada verso,as vezes menino inocente que não conhece o amor,em outras a vontade de ser um devasso total.
    Uma pena ter ido tão cedo,quanta coisa boa não ia vir dessa mente poderosa.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

A Perda de um animal de estimação e o filme 4 vidas de um cachorro

A Perda de um animal de estimação e o filme 4 vidas de um cachorro No filme 4 vidas de um cachorro vemos a saga de um cach...