quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Pensamento: Presente Futuro



Jornada



Presente Futuro



Não podemos saber de antemão o que a vida nos trará.
Tão pouco podemos prever atitudes e palavras alheias.
A verdade pode não ser uma só, mas machucar sempre será desnecessário, embora nessa vida tenhamos que enfrentar pedradas, as vezes de quem jamais esperamos, e outras vezes somos nós mesmos a atirar essas pedras.
Temos a escolha de nossos atos, somos imperfeitos e podemos magoar sem intenção, mas não temos responsabilidade pelos atos e palavras proferidas pelos outros, com ou sem intenção.
Na vida cada aprendizado nos guia a determinado caminho, e traça-lo é uma escolha pessoal. 
Não julgue se não pode sentir pelo outro, podemos conhecer mas compreender a essência no íntimo é impossível, o sentir é algo pessoal. 
Se não puder ficar não fique, não há razão para condenações, a busca pelo melhor do outro é só do outro. 
Será inevitável muitas vezes se deparar com a ingratidão, mas unicamente a nós cabe nos afastar do que é prejudicial, ainda que não possam compreender essa decisão.
Posso perdoar algumas vezes mas não posso confiar naquilo que plantou dúvidas e decepções. 
É confortante saber que fiz o meu melhor ainda que não tenha sido enxergado, mas uma mesma coisa pode ter vários lados, ninguém tem a obrigação nem a habilidade de ver todos. 
Não sei fingir, nem jogar em dois times, essa é minha natureza, ainda que minha verdade as vezes seja dura demais para ser aceita. 
Meu presente me faz perceber que cada escolha me preserva e amadurecer me fez seguir no melhor caminho colhendo meus frutos.
Se eu disse algo; se eu precisei ir, é porque tive uma forte razão para isso, ainda que houvesse falta de interpretação do outro lado. 
O passado está morto, dele não vivemos, hoje é apenas uma lição, o futuro é o que me aguarda e por ele eu sigo. 
É justo ter a essência preservada, saber que mesmo com espinhos só posso devolver flores, e minha consciência me lembra todos os dias que estar em paz sempre depende só de mim. 
Quanto as palavras alheias, elas apenas definem quem as disse e não a mim. 
O que vem de fora está la fora, aqui dentro só entra o que permito porque escolhi seguir meu presente, o que me impedia ficou para trás.
Ser quem eu sou nunca dependeu de ninguém e por tudo que aprendi sou grata. 
Eu dou amor e ainda que não receba sempre de volta, cada um dá o que tem, e nas horas mais sombrias as verdadeiras faces são reveladas. 
Ser verdadeira não foi uma escolha, é minha identidade, se distorcem isso tanto faz, se uma verdade não tem poder de me tirar a paz, uma mentira muito menos, pois o que eu sei no profundo do meu universo me basta. 
Não há porque se culpar por falhas pessoais nem se martirizar para sempre pelos erros por vezes cometidos, afinal é preciso errar para se chegar no acerto, contudo o erro será para um fim positivo unicamente se aprendermos com ele.
Eu não preciso retornar a meu passado com amargura e muito menos maldizer algo que um dia me foi especial, sou agradecida por tudo de bom que me foi proporcionado enquanto durou, e não tenho a missão de julgar o destino de ninguém. 
Deixo minha gratidão a tudo que se foi e não volta mais, mas que define cada vez mais minha jornada sem fim a procura do melhor de mim. 









Helena Dalillah




Copyright, Direitos Reservados

É proibido divulgação de qualquer conteúdo
sem a permissão devida dos autores.
Aos autores pertence o direito exclusivo de publicação de suas obras.
(Lei de direitos autorais N. 9610/98, artigo 29.)














Quarentena

VOLTAREMOS EM BREVE