quinta-feira, 20 de agosto de 2015

MUSA: Rita Hayworth



Diva marcante na história do cinema, além de uma beleza clássica.


 RITA HAYWORTH

 




Rita Hayworth nome artístico de Margarita Carmen Cansino; nasceu em Nova Yorque em 17 de outubro de 1918. Filha de um dançarino de flamenco e neta do dono da maior Escola de Dança Clássica Espanhola em Madrid, a qual era mundialmente famosa, Rita começou pelo mundo da dança. 





Foi uma atriz, e dançarina norte americana de ascendência hispano-irlandesa, que atingiu o auge na década de 1940 e tornou-se um mito eterno do cinema.


ETERNA GILDA.





Tinha uma beleza exuberante e um olhar fatal, sendo uma das musas mais inesquecíveis da história cinematográfica.






A atriz faleceu aos 68 anos em 14 de maio de 1987, em Nova Yorque, já havia parado de atuar anos antes.






No início de carreira Rita passou por uma difícil transição de dançarina de cabaré para estrela de cinema. Ela era, em primeiro lugar, uma dançarina; tornar-se atriz foi uma maneira de ganhar a vida.





Foi no "Caliente Club", em 1935, que Rita foi descoberta pelo diretor da Fox Film Corporation, Winfield Sheehan. Uma semana depois, Rita foi levada para Hollywood, para fazer um teste na Fox que acabou sendo um sucesso e impressionou a todos..




 
Como só arranjava papéis de "latina" pelo seu ar tão típico hispânico, Rita passou por uma dolorosa eletrólise para aumentar a testa e acentuar o Pico de Viúva (o formato de v na testa formado pelos cabelos) .




Rita adotou o nome de solteira de sua mãe, Hayworth, e passou de morena a ruiva.





Nos anos que se seguiram, Rita brilhou em filmes musicais da Columbia, como "Ao Compasso do Amor" (You'll Never Get Rich, 1941), "Bonita Como Nunca" (You Were Never Lovelier, 1942):




ambos com Fred Astaire e "Modelos" (Cover Girl, 1944), com Gene Kelly, firmando-se como uma das maiores dançarinas das telas e a maior estrela romântica dos anos 1940.





Porém, a chegada do sucesso profissional coincidiu com a crise em seu casamento, que acabou em divórcio em 1942.




Rita foi uma típica pin up admirada e copiada, inclusive hoje.






A fama de maior estrela da década e de uma das mulheres mais desejadas e famosas do mundo consolidou-se ao estrelar, no auge de sua beleza, o clássico noir Gilda (Gilda, 1946), de Charles Vidor, ao lado de Glenn Ford, com quem já atuara antes em "Protegida do Papai" (The Lady in Question, 1940), também de Vidor. 








O marcante, ainda que brevíssimo, strip-tease de Rita (na verdade o strip-tease é sugerido pois ela tira apenas a comprida luva de um dos braços) e a bofetada que ela recebe de Ford, ajudaram a engrossar a enorme bilheteria que o filme recebeu em todo o mundo.






Gilda é uma mulher indomável e ousada para sua época, e esse papel a fez brilhar universalmente, marcando-a pra sempre. 





Com Orson Welles, com quem se casara em 1943, Rita estrelou o filme "A Dama de Xangai" (The Lady from Shanghai, 1948):










Também é conhecida pelos filmes: "Salomé", "Os amores de Carmen":





"Caminhos separados", "Meus dois carinhos", etc. 








Seu último grande sucesso foi "Meus Dois Carinhos" (Pal Joey, 1957), de George Sidney, com Rita dividindo a cena com Frank Sinatra e Kim Novak, considerada a nova rainha da Columbia. Na hora de decidir quem encabeçaria o elenco, Sinatra resolveu a questão: "O direito de ter o nome em primeiro lugar pertence a Rita Hayworth. Ela é a Columbia Pictures e sempre será".






Rita casou-se cinco vezes: a primeira com Edward C. Judson (1937- 1942); a segunda com Orson Welles (1943-1948), com quem teve uma filha, Rebecca; a terceira com o príncipe Aly Khan (1949-1953), com quem teve princesa Yasmin Aga Khan; a quarta com o cantor Dick Haymes (1953-1955), e a última com James Hill (1958-1961). Todos os seus casamentos terminaram em divórcio. 






Considerada por muitos a mulher mais bonita da história do cinema, junto de Greta Garbo e Marilyn Monroe.





"Eles vão para cama com Gilda e acordam comigo", disse Rita ao comentar sobre como seu personagem estava relacionado com sua pessoa.





Uma de suas performances no filme "Gilda":






Morreu na casa de sua filha, Yasmin, em Nova Iorque, aos sessenta e nove anos, vítima do mal de Alzheimer, do qual padecia desde a década de 1960, mas que só foi diagnosticado em 1980. 
Está sepultada no Cemitério de Holy Cross em Culver City, California.






"Eu realmente nunca pensei em mim mesma como uma deusa do sexo, sempre me senti mais como uma comediante que sabe dançar." 
Rita Hayworth.







GRANDE RITA.
SAUDADES ETERNAS.








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

A Perda de um animal de estimação e o filme 4 vidas de um cachorro

A Perda de um animal de estimação e o filme 4 vidas de um cachorro No filme 4 vidas de um cachorro vemos a saga de um cach...