domingo, 20 de setembro de 2015

ALERTA: Como viver num mundo melhor


Temos visto muito o tema e decidimos compartilhar algo de extrema importância

Não vivemos hoje como se vivia antigamente e é importante nos conscientizarmos 

 

 Como viver num planeta melhor

 Antes de ir direto na solução vamos retratar os problemas.

 

 Consumismo

Consumismo é algo que causa controvérsias, porque ao mesmo tempo que as pessoas têm necessidades, muitas vezes adquire-se coisas por puro desejo e capricho; p
ara se obter certo status.
A sociedade cria uma cultura que é importante, é bom ter algo que o outro não tem, ser o único a ter certo objeto. Este por sua vez, passa a ser desejado por outras pessoas que não podem ter.
Há uma relação de concorrência, e o bom não é ter algo que você precisa, ou por que é útil, mas sim algo que os outros desejam ter. Por ser desejado por outros esse objeto tem mais valor. Isso cria um sentimento de inveja no outro. O sentimento de rivalidade que estimula a fazer qualquer coisa para ter o que outro tem, para imitá-lo ou mesmo excedê-lo. Ser mais do que o outro ao adquirir algo, que será desejado por mais pessoas.
Os meios de comunicação como a televisão, outdoors, entre outros são muito relevantes para a expansão do consumismo exacerbado. Esta indústria da publicidade utiliza diversos métodos e estratégias para fazer com que o consumidor compre frequentemente; tem como objetivo criar num possível consumidor um descontentamento com aquilo que ele tem. Com isso, ele passará a consumir mais, porque não está satisfeito com o que tem, é pouco, ele precisa cada vez mais de algo melhor.
Um fato importante é que por trás do consumo e ostentação, está a busca de status social e econômico, além de poder preencher um vazio interior, uma busca constante de reconhecimento do outro e de si mesmo. A busca pela autoestima perdida.
Muito se consome, muito vai pro lixo, e hoje se consome muito mais do que antigamente e se tem o dobro de lixo também, algumas medidas seriam interessantes para que assim a qualidade de vida melhore incluindo na saúde e economia.
Comprar menos, consumir pouco e reciclar mais é uma das soluções para que o planeta não se destrua.







Poluição do ar e ambiental

Com o início da Revolução Industrial na Inglaterra, cresceu significativamente a poluição do ar. A queima do carvão mineral (fonte de energia para as máquinas da época) jogava na atmosfera das cidades industriais da Europa, toneladas de poluentes. A partir deste momento, o homem teve que conviver com o ar poluído e com todos os danos advindos deste "progresso" tecnológico.
Entre os principais agentes geradores de poluentes estão: os motores dos automóveis, as indústrias siderúrgicas, as fábricas de cimento e papel, as refinarias, a incineração de lixos domésticos e as queimadas de florestas para expansão de lavouras e pastos.







Este tipo de poluição tem provocado muitos problemas nas grandes cidades. A saúde das pessoas, por exemplo, é a mais afetada com a poluição atmosférica. Várias doenças respiratórias como a bronquite, rinite e asma levam milhares de adultos e crianças aos hospitais todos os anos. A poluição também tem causado danos aos ecossistemas e ao patrimônio histórico e cultural. Resultado desta poluição, a chuva ácida mata plantas, animais e vai corroendo, com o passar do tempo, monumentos históricos (prédios, monumentos, igrejas etc). Nos últimos anos, a Acrópole de Atenas passou por um processo de restauração, pois a milenar construção grega estava sofrendo desgaste com a poluição da capital da Grécia. 





A poluição ambiental sem dúvida é um dos fatores que também são prejudiciais e agravantes.
O problema do lixo começou a preocupar devido ao aumento da população e a forma em que eles vêm utilizando os materiais e resíduos não orgânicos, e principalmente o modo como estão realizando os descartes destes materiais, que ao serem recolhidos em nossas portas tomam caminhos totalmente inadequado necessitando de muito cuidado e maior preparo para cidade e os residentes da região em que se encontra o aterro sanitário.
Sabe-se ainda que os locais em que são depositados os lixos, levam duas classificações, em que uma são os lixões, termo bastante conhecido por conter em praticamente todas as cidades brasileiras, nos lixões normalmente os lixos coletados são depositados sobre o terreno e deixados a céu aberto, sem qualquer tipo de seleção, limpeza, ou processos adequados para que os lixos não comprometam aquela área e consequentemente toda a região, ocasionando problemas principalmente de saúde, pois com o lixo a céu aberto ele com o tempo irá eliminar diversas substâncias e odores que criarão e chamarão bactérias e animais causadores de doenças, por exemplo, ratos, mosquitos, baratas e outros ainda que causam a leptospirose, a dengue e também a peste bubônica. Outra forma também muito utilizada em algumas cidades, é o deposito do lixo em aterros sanitários, que são grandes terrenos em que o lixo é enterrado no solo, esse tipo de depósito elimina os problemas causados pelos lixões, no entanto, assim como nos lixões se não houver uma seleção e cuidado com o lixo que é depositado no solo são muitas as possibilidades de ter uma contaminação na terra e com certeza atingir as águas subterrâneas, que estão sendo consideradas como alternativa pela escassez das águas doces na superfície.






Agora vamos tratar de uma das soluções.


Reciclagem

 
Desde a década de 1980, a produção de embalagens e produtos descartáveis cresceu significativamente, assim como a produção de lixo, principalmente nos países industrializados. Muitos governos e ONGs (Organizações Não Governamentais) estão cobrando das indústrias atitudes responsáveis. Neste sentido, o desenvolvimento econômico deve estar aliado à preservação do meio ambiente. Atividades como campanhas de coleta seletiva de lixo e reciclagem de alumínio, plástico e papel, já são corriqueiras em várias cidades do mundo.
No processo de reciclagem, que além de preservar o meio ambiente também gera renda, os materiais mais reciclados são o vidro, o alumínio, o papel e o plástico. Esta reciclagem ajuda a diminuir significativamente a poluição da água, do ar e do solo. Muitas empresas estão reciclando materiais como uma maneira de diminuir os custos de produção de seus produtos.
Outro importante benefício gerado pela reciclagem é a quantidade de novos empregos que ela tem gerado nos grandes centros urbanos. Muitas pessoas sem emprego formal (com carteira registrada) estão buscando trabalho neste ramo e conseguindo renda para manterem suas famílias. Cooperativas de catadores de papel e alumínio, por exemplo, já são comuns nas grandes cidades do Brasil.





Enfim vamos nos conscientizar.


Como fazer um planeta melhor

Um dos maiores problemas da civilização moderna, é o lixo. Ou seja, o resíduo de tudo o que é produzido e consumido pela sociedade que hoje em dia consome demais e inclusive muito mais que o necessário, diminuir esse consumo seria um começo, porém há mais medidas que podem ser tomadas.
De todos os seres vivos, o homem é o único que não tem seus dejetos e restos alimentares reaproveitados pela natureza. 

Para que a sustentabilidade dos processos produtivos seja possível, é necessário a incorporação de quatro “Rs” pela sociedade: reduzir, reutilizar, reciclar e rejeitar.

Reduza e rejeite os excessos! Deixe de lado os saquinhos oferecidos pelos mercados (leve de casa, preferencialmente a sacola de tecido, que não polui), as bandejas de isopor, produtos com diversas embalagens e propagandas que podem sujar as ruas.

Reutilize frascos e sacolas sempre que puder; utilize as duas faces do papel impresso; doe roupas, móveis, aparelhos domésticos; se você mora em casa, faça uma vala para enterrar todo o lixo orgânico que produz, fertilizando o solo e evitando mais dejetos nos aterros. Tecnicamente, é possível recuperar e reutilizar a maior parte dos materiais que no dia-a-dia são jogados fora. Latas de alumínio, vidro, plástico e papéis são mais reciclados (leve isso em conta ao consumir algo). Separe os materiais e entregue-os limpos aos programas de coleta seletiva.

Seja limpo, não suje as ruas, não jogue embalagens, papéis, comida ou resíduos no chão.

Para inserir sua casa num sistema auto-sustentável, faça uso racional da água. Reduza o tempo de banho, desligue a torneira ao escovar os dentes e fazer a barba. Regule o sistema hidráulico para evitar vazamentos e fique sabendo que nas descargas antigas (fabricadas até 10 anos atrás), a cada acionada eram eliminados 20 litros de água em média; os sistemas mais modernos eliminam apenas 6 litros. Verifique ainda com a Sanepar se a sua residência está ligada à rede de esgoto. Um teste simples confere isso.

“Luz que se apaga é luz que não se paga”. Revise as instalações elétricas da sua casa para saber se não há desperdício em algum ponto e, ao comprar qualquer produto elétrico, considere o seu gasto de energia. A medida ajuda as empresas a usarem a tecnologia em favor da preservação do planeta.

A dica é avaliar a necessidade de consumo a cada uma de suas compras. “Veja o que é necessário e o que é supérfluo. E mais, dê preferência aos produtos envolvidos em campanhas de redução de impacto ambiental, como é o caso dos alimentos orgânicos, que não utilizam defensivos agrícolas.”



Se queremos um lugar agradável e limpo para se viver a atitude tem começar por cada um de nós. 
 







O vídeo abaixo é obrigatório para quem é consciente do problema que enfrentamos e se importa com uma melhor qualidade de vida:






Outro vídeo muito importante para se entender mais do nosso presente:












Valeu pessoal.

Vamos ser conscientes, e não só mais um estereótipo dominado pelo sistema.

Abraços e gratidão. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somente um membro desse blog pode adicionar um comentário

A lógica ilógica de nosso ano de eleição

A lógica sem nexo do porquê algumas mulheres votam no fascismo O que aprendi com mulheres que votam no opressor ...